Queridos visitantes

segunda-feira, 1 de agosto de 2011


(...) "E se eu mudasse meu destino num passe de mágica? (...) Não sei se conseguiria. Estranho, mas é sempre como se houvesse por trás do livre-arbítrio um roteiro fixo, predeterminado, que não pode ser violado. Um roteiro interno que nos diz exatamente o que devemos ou não fazer, e obedecemos sempre, mesmo que nos empurre para aquilo que será aparentemente o pior. O “pior” às vezes é justamente o que deveria ser feito?

10 de abril, in Lixo e purpurina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário