Queridos visitantes

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Morri de rir com essa kkkkkkkkkkkkk
Pior que é verdade! 

A personalidade de gente invejosa e sem argumentos, é do tamanho da saia de mulher piranha, ou seja, muito curta!
Lindos Lindos Lindos (L)
Sou forte. Meio doce e meio ácida. Em alguns dias acho que sou fraca. E boba. Preciso de um lugar onde enfiar a cara pra esconder as lágrimas. Aí penso que não sou tão forte assim e começo a olhar pra mim. Sou forte sim, mas também choro. Sou gente. Sou humana. Sou manhosa. Sou assim. Quero que as coisas aconteçam já, logo, de uma vez. Quero que meus erros não me impeçam de continuar olhando para a frente. E quero continuar errando, pois jamais serei perfeita (ainda bem!). Tampouco quero ser comum e normal. Quero ser simplesmente eu. Quero rir, sorrir e chorar. Sentir friozinho na barriga, nó no peito, tremedeira nas pernas. Sentir que as coisas funcionam e que tenho que trocar de jeito quando insisto em algo que não dá resultado. Quero aprender e, ainda assim, continuar criança. Ficar no sol e sentir o vento gelado no nariz. Quero sentir cheiro de grama cortada e café passado. Cheiro de chuva, de flor, cheiro de vida. Aprecio as coisas simples e quero continuar descomplicando o que parece complicado. Se der pra resolver, vamos lá! Se não dá, deixa pra lá. A vida não é complicada e nem difícil, tudo depende de como a gente encara e se impõe. Quero ser eu, com minha cara azeda e absurdamente açucarada. Não quero saber tudo e nem ser racional. Quero continuar mantendo o meu cérebro no lugar onde ele se encontra: meu coração. E essa é a melhor parte de mim. - Clarissa Corrêa

Tenho uma particularidade instigante: preciso da solidão. Gosto de pessoas, preciso delas, não sei viver sozinha. Mas sou mimada, preciso quando eu quero. Sou egoísta, gosto de ver televisão sozinha, sem ninguém falando junto. Sou chata, não gosto de dividir banheiro com ninguém [...] Preciso da solidão pra ler, pra olhar para o teto, pra tirar ponta dupla do cabelo, pra fazer as unhas, pra pensar em tudo, pra fazer nada. Preciso da solidão pra ser eu mesma. Pra fazer alongamento, rir de mim, chorar comigo. Não entendo como tem gente que não abre a janela em dias nublados. Eu adoro janelas abertas, esteja um dia lindo de sol ou um carregamento de nuvens cinzas. Tenho que sentir o ar que vem lá de fora, seja ele qual for. Com seu gosto, cheiro, textura. Falo algumas coisas esquisitas como essa, por exemplo, ar com textura. Conheço cores que ninguém conhece, vejo alguns filmes que grande parte da população acha tosco. Não gosto de deixar as coisas pela metade, mas já deixei... - Clarissa Corrêa

Quando alguém é meu amigo eu faço o impossível para ver a pessoa bem. Se eu gosto tomo as dores, embarco em indiadas, dou um jeito de fazer com que tudo fique numa boa, nem que seja ouvindo e dando o ombro. Mas, por favor, nunca minta para mim. Quem mente perde completamente a minha confiança. Procuro ser uma pessoa justa. E, confesso, meu lado bonzinho fica encostado no lado babaca. Em outras palavras: às vezes sou burra ao invés de boa. Se tem uma coisa que detesto é me sentir enrolada. Me preocupo a fundo com os outros, por isso não curto pequenas mentiras e desonestidade. Pena que tem gente que não enxerga isso. 

“Não é não. E não adianta você querer que ele vire um sim. Ah, eu gosto tanto dele, a gente tinha tudo para ser feliz, por que as coisas não saíram como eu planejei? Mulher tem a triste mania de fazer listinhas mentais. Daí quando algo foge do combinado (entre você e você mesma) vira o fim do mundo. Acontece que nem tudo depende da gente. E essa é a grande porcaria. (…) Você pode ter as mais diversas reações. Você pode chorar, espernear, tentar se matar. Nada disso adianta. Ele não quer nada com você. E não adianta você querer que ele queira algo com você.” Clarissa Corrêa
Repórter: Natan, você sabe o que é amor?
Natan: Pra mim amor foi quando os valentões da minha turma me empurraram do balanço e eu fiquei com o joelho machucado. Ai a Aninha me deu um beijo no joelho e disse “Se você quiser eu peço pra sua mãe deixa você ir pra minha casa ai eu cuido de você e faço biscoitos.” Eu acho que a amo.
Repórter: Gente acho que eu vou casar com ele.

(Natan 5 anos)
E então você se cansa. Cansa dessa confusão toda, cansa desse nó na garganta, cansa de se sentir mal. Resolve desistir. E, por mais covarde que seja, é seu grande ato de coragem. Desistir de algo que se ama tanto, aliás, é o ato mais corajoso que alguém pode ter. Mais corajoso e mais doloroso também. Se vale a pena, eu ainda não sei. Só não dava mais pra continuar assim.

Apenas seja forte independente desse medo que possa vir a lhe cercar. Enfrente os problemas, você apenas precisa aprender a confiar em si. Seja apenas a pessoa que você sempre foi e nunca desista de seguir o seu caminho. Apenas seja, mas além de ser o faça por merecer, faça por merecer crescer, faça por merecer vencer. Apenas siga o seu caminho, ninguém poderá lhe mostrar o que fazer pois uma coisa é certa, mesmo que muitos estejam ao seu lado você apenas poderá lutar sozinho.

“O grande pessimista colhe todas as notícias ruins do jornal e manda aos amigos cada manhã; acha que o ser humano não presta mesmo, o mundo é mero palco de guerras e corrupção. O excessivamente otimista acha que a realidade é a das telenovelas e dos sonhos adolescentes, das modas, das revistas, da praia, do clube. O sensato (não o sem graça, não o chato) sabe que o ser humano não é grande coisa, mas gosta dele; que a vida é luta, mas quer vivê-la bem; que existem _ além de injustiça, traição e sofrimento _ beleza e afetos e momentos de esplendor. Que se pode confiar sem ser a toda hora traído por quem se ama.” Lya Luft, in Perdas & Ganhos