Queridos visitantes

terça-feira, 31 de julho de 2012

domingo, 29 de julho de 2012





“Meu signo diz que hoje é dia de limpeza, então eu quero lavar minha alma e mandar pra puta que pariu todo mundo que me enche o saco. Grata.”


"Uma das mais saborosas sensações de liberdade que eu conheço é flagrar meu coração feliz sem precisar de nenhum motivo aparente. De vez em quando, a mente, que tantas vezes mente, me permite lembrar que essa felicidade essencial está o tempo todo disponível, preservada, por trás das nuvens que a negatividade infla. Rio e me sinto mar." Ana Jácomo
Deus, afasta a inveja, as pessoas mal intencionadas e coisas ruins que aparecem em minha vida. Obrigada!
Outra coisa que eu penso quando me lembro daquelas uvas cor-de-rosa é que, na vida, as coisas mais doces custam muito a amadurecer.

(Caio Fernando Abreu)


sábado, 28 de julho de 2012


Parabéns para você, que, linda, lida com explosões hormonais uma vez ao mês. Que sente tudo inchar. Que chora por besteira. Que valoriza bobagens. Que acredita em filmes de amor. Que faz coleção de esmaltes. Que ama sapatos, bolsas e cacarecos para colocar no cabelo. Que compra só porque estava em liquidação. Que sempre precisa de alguma coisa. Que acha o amor a coisa mais bonita – e importante desse mundo. Que sabe como é fundamental olhar para si mesma – ainda que de vez em quando se perca e se preocupe em demasia com o “querer” do outro. Parabéns para você, que dia a dia aprende mais sobre você mesma. Que erra para aprender. Que é forte o suficiente para seguir em frente – sem lamúrias, mas com maturidade e sensatez. Que de vez em quando esquece a própria idade e o juízo em algum canto. E depois acha, como mágica. Parabéns para você, que tem um sonho. Que não desiste, apesar do que falam. Que não se abala, apesar do medo. Que sente uma fraqueza interna, mas caminha com passos firmes. Que fica tonta, mas não desmaia. Que apesar de cada pedra no caminho, corre. Que reclama dos problemas, mas entende que a vida é feita deles. Que tenta entender o defeito alheio – e procura perceber os seus. (Clarissa Corrêa)


Renuncio todo e qualquer fator que me afaste da luz. Da luz dos dias, dos olhares. Não quero viver à base de suposições, amor. Nem de esperança. O tempo ruge e é cruel com todos. Seja com quem olha de longe ou com quem se arrisca a enfrentá-lo. Que nunca falte fé, e que nenhum empecilho imposto por quem quer que seja, me reprima. Me esconda, me afaste. Me derrote. (Mateus F.)


Quero uma dose de paz. E de amor. E de felicidade. E de sonho realizado. Quero pra mim. Quero pra você. Quero pra todo mundo que sente bem, que faz o bem, que se preocupa com o que é bom. Para o resto, quero só a justiça. Espero que as pessoas sejam mais tolerantes, que não resolvam tudo no tapa, que não machuquem os animais, que cuidem mais dos seus sonhos ao invés de tentar estragar a vida do outro com fofoca e sentimento barango. Espero que todo mundo ame mais. Que se abram para o amor. (Clarissa Corrêa)



sexta-feira, 27 de julho de 2012











Como um desânimo, vontade de dizer rápido qualquer coisa como olha, você me desculpa, mas estou mesmo muito cansado, fica para outro dia, para outra noite, outro tempo, outra vida. (CFA)

domingo, 22 de julho de 2012

"(...) Mas não sou completa, não.
Completa lembra realizada.
Realizada é acabada.
Acabada é o que não se renova a cada instante da vida e do mundo.
Eu vivo me completando... mas falta um bocado."

(Clarice Lispector)

"A minha meta agora é cumprir todas as outras metas. Porque, agora, eu estou fazendo o melhor que eu posso. Do melhor jeito que eu sei fazer. E eu espero que a vida possa ser linda, apesar de todos os meus pesares."

Cansei de me preocupar com o que os outros vão pensar, agora, eu faço o que eu quero, não gostou? Dane-se!
 
"Era ainda jovem demais para saber, que a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas e que graças a este artifício conseguimos suportar o passado." (Gabriel Garcia Marquez)


Eu sou impulsiva, nervosa e grossa quando é necessário, não sou boazinha o tempo todo nem prestativa com todo mundo. Posso ser chata às vezes e não pago de santa! Eu sou exatamente assim, e assumo os meus erros e os meus atos! Não sou fã de hipocrisia, detesto gente que é simpática na sua frente e atrás te esculacha, detesto gente que paga de santa quando na realidade é maior safada. Estou longe de ser perfeita, mas eu sou simplesmente eu, sem máscaras e sem falsidade.
Eu disfarço muito e quase ninguém percebe. Tem um monte de gente por aí que acha que me conhece o suficiente. Outros tantos acham que sabem o bastante sobre a minha vida. Entra no meu mundinho quem eu deixo. Acho que a gente não deve escancarar a vida, tem coisa que é só nossa e de mais ninguém. Quanto mais a gente dá liberdade para os outros mais eles se sentem no direito de se intrometer e meter o bedelho. Não gosto, pois da minha vida cuido eu. Das minhas coisas só eu sei. Do nosso amor a gente é que entende e sente. Muita gente me acha bem extrovertida e falante. E eu sou. Mas uso isso como uma espécie de proteção, camuflagem, escudo. No fundo, acredite, sou tímida. Bem tímida. Sou tão tímida que fico vermelha quando me envergonho. Vermelha mesmo, pareço um pimentão.
Tem gente que não suporta ver o sucesso do outro e pensa: tomara que ele se dane. E fica ali torcendo, fazendo vudu, macumbando, querendo esperar o próximo passo em falso. Tudo isso pra quê? O que todo esse sentimento traz de bom? Afinal de contas, o que você quer: ser você mesmo ou outra pessoa? O mundo é redondo e gira por algum motivo. Tudo, tudinho que a gente faz não é em vão. Nosso esforço, nossas recompensas, nosso sofrimento, nossa alegria, nossos tropeços, nossos sorrisos, nossos obstáculos, tudo isso tem um porquê. Ou muitos porquês. Isso agora não importa. O que importa de verdade é o que você faz com os seus sentimentos. Para receber o bem a gente deve fazer o bem. E isso significa cuidar cada ação ou palavra: não faz bem para a alma alimentar sentimentos ruins.


Acho que o mundo precisa de mais pessoas bailarina. As coisas andam feias demais. Falta gentileza, sobra pressa, rancor e cara feia. Fico impressionada com a quantidade de gente que mal dá bom dia. Pessoas que não olham nos olhos, esbarram em você na rua e nem pedem desculpa, tratam garçons e motoristas com ar superior, se sentem melhores que os outros. Na verdade, se achar o máximo é brega e ridículo. Um sobrenome não é nada. Uma conta recheada não é nada. Um rosto e corpo bonitos são apenas um rosto e corpo bonitos. A gente envelhece. E ninguém é melhor por ser mais belo ou não. Muitas jóias espalhadas pelos pulsos, pescoço e orelhas também não querem dizer absolutamente nada. (...) Longe de mim querer dar lição de moral. Só acho que as pessoas deveriam se preocupar mais com as coisas de dentro. O que tá fora, meu amigo, é completamente perecível.

(E o dinheiro uma hora acaba.)
Sempre fui geniosa. Opinião forte, do tipo que defende quem ama e não leva desaforo para casa. Quando gosto fica estampado na minha cara. E quando não gosto meu sorriso não sabe usar máscara. Por mais que eu tente não consigo disfarçar. Quando vejo estou fazendo, ainda que sem querer, caras, bocas e caretas. É quase impossível controlar (CC)

domingo, 15 de julho de 2012

15/07/2012

Eu tô num momento em que preciso tomar muitas decisões na minha vida. Mas é mais apropriado usar a palavra ‘’desistir’’ acompanhada de um ‘’cansei’’. O fato é que já faz um bom tempo que estou ‘’por aqui’’ com algumas coisas na minha vida, que eu nem imaginava que chegariam a tal ponto. Estou tentando me segurar pra não chorar de raiva e de frustração. Ando frustrada mesmo com a minha rotina, parece que minha vida nesses últimos três anos foram só para ter raiva! Felicidade? Ahhh, duram menos de 5 minutos... Porra, eu estou tão cansada que eu tenho vontade (e não vai demorar muito para fazê-lo) de liberar esse meu grito interno e mandar muuuita gente ir pra onde o Sol não bate! É, tem muita gente ‘’desnecessária’’ na minha vida... Bastante! Na verdade, gente que para mim resultava em um sorriso só de ouvir o nome, mas quando falam o nome atualmente, dá um certo nojo acompanhado de uma vontade de vomitar. É, sou muito sincera quando é para falar do que sinto e do que penso à respeito de uma coisa ou de tal pessoa. Nunca tive problema em falar minha opinião, mas o problema é você não ter liberdade de expressão! E odeio não poder ter. Preciso mudar mesmo, ser a Vanessa de antigamente em quesito ‘’superar e dar um chute no balde’’ de coisas que me estressam, que me deixam sem dormir, e não falo sobre o que pensam de mim, faz tempo que deixei de me importar (a ponto de afetar meu humor) com a opinião medíocre dos outros, falo aqui de ‘’amores idiotas e sem futuro que só me fazem andar para trás’’. Eu não quero mais ficar desse jeito, quero mudar mesmo, conhecer novas pessoas que realmente me completem à ponto de eu não fechar a cara e ficar lotada de preocupações. Aqui parada eu penso: meu Deus, como eu sou trouxa, penso que já cresci o suficiente e que sei de tudo, mas não: a vida me surpreende e chego à conclusão de que sou uma eterna aprendiz. Porém, tô errando tanto ultimamente que me sinto uma estranha dentro do meu corpo, roubaram a Vanessa e colocaram uma garota burra. Logo eu que sempre fui muito inteligente no ‘’ah vou atrás de outro cara’’. Não consigo me livrar desse cara que a vida me ''presenteou'', parece que o destino quer brincar comigo me ligando o tempo todo à ele de uma forma assustadora e não me agrado nem um pouco dessa brincadeira. Uma coisa que eu queria agora era: me faça esquecer, me faça olhar para ele e não sentir nenhum sentimento de paixão! Eu queria apenas o olhar como olho para um colega de sala ou um estranho na rua. Vou fazer como uma amiga minha fala: idade nova, vamos rir dos idiotas, curtir a vida, somos garotas inteligentes e queremos é ver o circo pegar fogo com um fósforo do lado para ajudar o fogo aumentar ainda mais. E dessa vida nada se leva, tudo se aproveita até a última página do livro. Só o que peço é: DEUS acaaaaaaaaabe com essa choradeira!


sábado, 7 de julho de 2012

“Sou forte. Meio doce e meio ácida. Em alguns dias acho que sou fraca. E boba. Preciso de um lugar onde enfiar a cara pra esconder as lágrimas. Aí penso que não sou tão forte assim e começo a olhar pra mim. Sou forte sim, mas também choro. ”